12.30.2007

(a) Ano Velho

O Ano Velho está por dias. Deixa saudades? Numas coisas sim, noutras nem tanto. Ver os filhos crescerem é coisa cujo "valor" não é mensurável. Acordar todos os dias com quem se ama, também não. Sentir o tempo escorrer entre os dedos e pensar que aquela senhora que se encontrou há dias foi a nossa professora da quarta classe há mais de trinta anos, é assustador. Sobretudo quando se tem vontade de "mudar o mundo".
Uma coisa é certa, tenho fé nos dias que se seguem. Venha de lá o Ano Novo que o velho já repousa no albúm das fotografias. Mas estou grato por tê-lo vivido.



Adeus ó Serra da Lapa (Zeca Afonso)


Adeus ó serra da Lapa
Adeus que te vou deixar
Ó minha terra ó minha enxada
Não faço gosto em voltar


Companheiros de aventura
Vinde comigo viajar
A noite é negra a vida é dura
Não faço gosto em voltar


Dou-te o meu lenço bordado
Quando de ti me apartar
Eu quero ir ao outro lado
Não faço gosto em voltar


O meu dinheiro contado
É para quem me levar
O meu caminho está traçado
Não faço gosto em voltar


Moirar a terra insegura?
Fugir da serra e do mar?
Meus companheiros de aventura
Tudo farei para salvar

2 comentários:

zé lérias disse...

Bom ano para si e para todo o seu pessoal, incluindo sogros.
Abraço

Mac Adriano disse...

Como diz o Sótraques criminoso, "2008 vai ser ainda melhor do que 2007". Para ele vai, com certeza. Para mim também está a ser, graças a ter saído daí. E, citando o saudoso Zeca Afonso, "não faço gosto em voltar". Bom 2008, se for possível.